Acaba ano!

Acaba ano!

Acaba ano, acaba,

E leve consigo esse ponto final triplo

Essa reticência, esse etecetera, essa vírgula

Acaba… Deixa pra trás essa inhaca

A vergonha alheia, o fundúncio, o risco

De que tenhamos que rever tudo

Vai embora, já que gostamos disso

do ritual de recomeço, de conclusão, de término

de nos atentarmos à folhinha

e ao que ela tem de mais repetitivo

Acaba ano

Você foi bom enquanto durou

Teve em você uma Copa do Mundo, que foi

no pior sentido, inesquecível.

Ano de eleição, ano perdido

E acaba logo, inteiro,

todo, completo, cheio

Dois mil e catorze, ano par

Vai, que dois mil e quinze vem vindo

Está logo ali

Prometendo coisa nova e coisa mesma

Feriados prolongados, tumultos, protestos,

Festas, ressacas, choros, gargalhadas,

Restos, migalhas, pesadelos, planos,

Cansaços, insônias,

Presepadas,

Acaba ano

Acaba…

Marco Antônio de Almeida

Previous Considerações sobre a Sessão de Câmara
Next Nova Câmara