A marca de Roth

A marca de Roth

Philip Roth, cuja morte foi anunciada nesta quarta-feira, tinha 85 anos e não publicava livros desde 2010. Nêmesis, seu último romance, escapava das estratégias usuais de suas obras produzidas ao longo dos anos 2000 – aquela ficção tardia em torno de personagens igualmente tardios e em tom quase elegíaco – e parecia um retorno temporal e geográfico, mas também emocional, aos contos que, no final dos anos 50, bagunçaram o coreto das letras do seu país. O jovem de primeira ou segunda geração de imigrantes que abria as cortinas de casa e deixava que o “outro” (o goy, o público mais amplo, as outras comunidades) pudesse ver a mobília desarrumada, o pai em mangas de camisa, a mãe e as irmãs em roupas íntimas e puídas.

A energia dos romances de Roth parece inesgotável. Entre Saul Bellow e John Updike, para ficar no arco geracional que todos os compêndios desenham no espaço, Roth parecia ter mais imaginação e potência narrativa. Bellow é, sobretudo, linguagem, aquela língua luxuriante que amálgama Shakespeare e peroração rabínica, maldição iídiche e literatura francesa. Updike, quase que só interessado no mundo WASP (branco, anglo-saxão e protestante), a cada dia parece mais eclipsado. Roth, mesmo tendo abdicado – por velhice, cansaço, ou esgotamento geral – da literatura, permaneceu vibrando nos últimos anos. E não apenas porque a Library of America, coleção de clássicos norte-americanos, o tenha entronizado em uma dezena de volumes encadernados. Sua marca na literatura, em vez de minguar, parece cada vez mais poderosa. De Junot Díaz a Ocean Vuong, passando por Paul Beatty, Tracy K. Smith e Aleksandar Hemon, e tantos outros, os filhos de imigrantes, os descendentes daqueles que foram trazidos à força para o continente, os recém-chegados, ainda oferecem o melhor depoimento da vertiginosa experiência norte-americana. Os altos e baixos do império em debacle, esse refrão de This Is America sai da voz dos netos de gente de Odessa, dos bisnetos de quem comeu o pão que o diabo amassou no sul do país depois de ter sido arrancado da África, dos filhos de quem veio do Vietnã depois da guerra. Essas vozes entoam a verdadeira canção norte-americana. O resto, quando muito, é nostalgia do chá das cinco.

Cada um tem o seu Roth, eu também tenho vários, claro, mas vou e volto sempre a Complexo de Portnoy (1969), Operação Shylock (1993) e O Teatro de Sabbath (1995). Em algum momento do início dos anos 90, mal saído da adolescência e intoxicado de Gregor Samsa e Joseph K., me deparei com o Portnoy. Foi um desses momentos epifânicos: então um “Kafka americano” também podia estar falando daqueles deprimentes jantares na casa da sua tia em que a fórmula Holocausto, diabetes e Israel era pronunciada a cada frase. Naquela mesma década, trinta anos depois da publicação original do romance, Roth iria escrever os outros dois livros. Operação Shylock trazia – e ainda traz – uma miríade de questões para judeus que vivem em outros países que não Israel, na “diáspora”. É o romance mais político do autor, que numa entrevista disse não possuir “um osso religioso” em seu corpo. De certa forma, é o Orientalismo de Roth, a leitura criativa e a contrapelo (à Edward Said) de toda uma cultura, no caso, as ilusões e autoenganos (políticos, culturais) na relação com frequência tempestuosa e emocional entre judeus e Israel. Não à toa o livro gira todo em torno de um falso Philip Roth que vai para a Terra Santa advogar um certo “diasporismo”, o retorno de judeus para aqueles lugares que seus pais e avós escaparam por um triz (isso quando escaparam), os países do leste europeu. Swift não faria melhor.

Já O Teatro de Sabbath pode ser lido como um Portnoy com (muito) mais células mortas. É como se o arco de ultraje, humor autodepreciativo, desejo desordenador e sátira judaica traçado em Portnoy tivesse sua conclusão nas mãos (artríticas e obscenas) de Mickey Sabbath, talvez o mais perfeito retrato do artista quando velho. Ainda hoje possui uma carga ofensiva como poucas obras contemporâneas. Embora vasto e ambicioso, o éthos literário de Sabbath abriria caminho para os livros breves – e devastadores sob qualquer ponto de vista – dos anos 2000, obras como O Animal AgonizanteIndignação e A Humilhação. Numa outra pauta, pode-se advogar que essas obras de Roth formam o primeiro grande retrato do que é ser um adulto na terceira idade. Ainda o desejo e muita fúria e quase nenhuma vontade de parar. Poucos artistas nos humanizaram aos 60 e 70 anos como Roth. Os homens e mulheres de suas obras finais não entregam os pontos. E nem deveriam. Porque não são “velhinhos” (adoráveis e certamente infantilizados, uma baixa na nossa percepção da passagem do tempo), apenas são adultos mais experientes, mais melancólicos, mais lanhados que a média e que provavelmente já viram de tudo. Como o seu próprio criador, aliás, que agora sai de cena.

Artigo de Leandro Sarmatz, para Piauí

Previous Estudo de arcada dentária confirma que Hitler morreu em 1945, em Berlim
Next Alimentação vegetariana é tema da terceira edição do NutriChef Eduvale