Apocalipse Culex

Apocalipse Culex

Calendário Maia, Apocalipse Zumbi, previsões de Nostradamus, Estado Islâmico ou Trump X Kim Jong-un!?!?  Que nada! O fim do mundo que conhecemos está ocorrendo agora, os novos bárbaros desse apocalipse estão estrategicamente e aleatoriamente em todos os lares, em todos os cantos que se possa imaginar, atrás de cortinas, em cima do guarda-roupa, debaixo da cama e até no box do banheiro.   Não se sabe ao certo quando ou onde começou essa invasão, mas quando se percebeu, estava tudo dominado e não há tubo de veneno, repelente com citronela, tela ou “raquete” que dê conta, afinal, eles são muitos e sabem voar.

Teóricos do antigo manipulador de bomba de Fritz já observaram o fenômeno e tentam explicar essa hecatombe zunida como uma invasão de pernilongos aliens, mais espertos, maiores e organizados do que os nativos daqui. Bom, eu já acho que de duas, uma. Foi marcada uma espécie de micareta ou “mosquitareta” sem Carlinhos Brown, já que não é época para tantos mosquitos zunindo por aí ou isso tem a ver com o terceiro segredo de Nossa Senhora em Fátima. Hummm!

Nessa atual infestação deu pra notar que, além de não se importarem com noites frias e de vento, eles estão cada vez mais resistentes aos venenos tradicionais. É mais provável você ter uma intoxicação de Baygon, SBP, Mortein e Raid, tudo ao mesmo tempo, do que conseguir matar todos esses invasores, aliás, acho que uns pernilongos se viciaram nos repelentes elétricos, não é raro perceber alguns aprumados próximos à tomada, uma espécie de “citronelândia” do mundo entomológico.

À noite virou rotina fazer um (como diz meu filho) “pernilonguicídio” no quarto antes de dormir e mesmo assim é apagar a luz para começar a escutar um coral desafinado de zunidos, de sopranos a tenores bem ao pé do ouvido.  Esses dias, ao levantar irritado para tentar pegar pelo menos algum que não me deixava dormir, tinha um mosquito tão grande que demorava a alçar vôo, sendo que o tapa certeiro e mortal que dei-lhe, quase luxei a mão.  Outro que achei estava tão carregado de sangue recém sugado que tinha mais condições de doador “O-“ do que eu!

Sei que um dia isso também vai acabar ou voltar a níveis toleráveis, como outras infestações de temporada (ou fora, como no caso) ocasionadas por um desequilíbrio momentâneo de ações antrópicas, mas por enquanto, visto a temeridade da situação e querendo dormir em paz sem virar um zumbi de dia, penso em comprar um macacão de apicultor ou um escafandro, quem sabe!?   Enquanto isso… ZUUUUUuuuuuuUUUUUUUUmmm!  ZUUUuuuummm! ZUUUuuuummm! Até uma outra!!!  Se eu não morrer intoxicado.

Twitter: www.twitter.com/mauriciobruno

E-m@il: maubruno@uol.com.br

www.facebook.com/ColunaDoMau

Previous Joselyr Silvestre arquitetou um arranjo político que não deu certo
Next Pode um Romancista também ser produtivo?