Liberdade é algo que ninguém consegue explicar o que é… Mas, todos sentem quando a perde.

Liberdade é algo que ninguém consegue explicar o que é… Mas, todos sentem quando a perde.

Enquanto na tv rola um jogo de futebol, cá estou eu as voltas com essa folha em branco e os pensamentos que voam e que querem pousar com alguma organização e nexo nela. O jogo não é do meu timão e hoje em dia mesmo que fosse não estaria me chamando atenção como antes. As pessoas mudam e descobri nesse instante um Marco Antônio sem muito saco para acompanhar noventa e poucos minutos de uma partida de futebol com muitos jogadores preocupados em exibir tatuagens e simularem faltas e, nem tanto em jogarem com raça. Cá estou eu pensando no que escrever. Vejo meu filho “mexendo” no celular e fico pensando que as coisas são mesmo do século vinte e um. Meu filho Bernardo, explico para quem não sabe, tem pouco mais de três anos de idade e já sabe desenhar na agenda do smartphone, coisa que eu nem imaginava ser possível. Confesso que poderia escrever sobre isso. Mas prefiro deixar para outro dia.

Hoje estou aqui nessa tarde de domingo com a nostalgia de outros domingos. O facebook lembrou-me que há sete anos num dia onze de novembro de dois mil e onze parei a aula exatamente às onze horas e onze minutos numa sala do ensino médio, mais precisamente um primeiro ano, para simplesmente todos fecharmos os olhos e meditarmos. Até hoje alguns “participantes” da experiência se lembram disso. Orgulho. O facebook é agora isso, um estimulador de lembranças que às vezes não queríamos lembrar…

E por falar em aula, sobre o livre-pensar e ter opinião própria, agora com essa “novidade” da Escola sem Partido vive-se uma nova era. Alunos querem ser livres para pensarem o que quiserem, é isso? Não, é claro, pois eles ainda nem sabem o que pensar. Os pais querem vigiar o que pensam seus filhos e querem que não ocorra doutrinação. Lindo isso.

Doutrinar, lembro, é papel de pastores medievais. Com a imensa gama de recursos que temos para ter informações de todos os tipos e origens uma pessoa só é doutrinada por outra se for estúpida.

Mas, de estupidez o nosso planetinha está repleto, lembro também.

Como professor de geografia é quase impossível não emitir opinião. É quase que inconcebível não debater. Sim, é fundamental que haja discussão sim! Não venha ninguém dizer que é possível discutir sobre meio ambiente, por exemplo, sem falarmos de que preservar vai de encontro a interesses corporativos e as lideranças econômicas estão mais preocupadas em encontrarem novas áreas pioneiras para expansão agrícola do que manterem as áreas já delimitadas como de Preservação Integral (UPI) ou de Preservação Sustentável (UPS) aqui no nosso Brasilzinho.

Vejo que a folha já não é branca mais.

Há palavras nela.

Frases – algumas que deveriam ter outra sintaxe.

Opinião. Pensamentos.

É… Depois de algum tempo voltei a escrever.

Agora é procurar dar sequência.

Até.

Marco Antônio de Almeida *

Previous Cachorro Raiz x Cachorro Nutella
Next Bolsonaro é pop, mas isso é bom?