Minhas férias a bordo do MSC Seaview

Minhas férias a bordo do MSC Seaview

No início do ano fui com minha mãe, madrinha e uma amiga para um cruzeiro. Cruzeiros são bons em si mesmos, pois seu “quarto” está sempre te acompanhando, existem muitas atividades e boas comidas a bordo e o preço é relativamente camarada para uma viagem de uma semana, com diversas paradas. Mas os cruzeiros são melhores ainda para os cadeirantes, pois os navios são completamente adaptados e você não precisa se separar da sua cadeira como acontece nos aviões, por exemplo. É uma beleza.

A MSC:

A Mediterranean Shipping Company é uma companhia privada de cruzeiros sediada na Suíça, mas que aporta seus navios em Napoli, na Itália. Os lucros da companhia giram em torno de 2 bilhões de Euros. A MSC Cruzeiros já transportou mais de 1,8 milhões de pessoas ao longo de 2017 e emprega atualmente, mais de 17.000 pessoas em todo o mundo. Em 2013, se tornou a terceira maior companhia de cruzeiros do mundo. Estima-se que em 2026 a frota da companhia terá 23 navios em operação.

O Porto de Santos:

É no Porto de Santos que fiz o meu embarque. E, assim como os outros portos em que estive, tais como os do Rio e Salvador, ele é feio de doer, fedido e de difícil acesso. Sei que até pouco tempo, o turismo marítimo não era o forte do Brasil, e que os nossos portos serviam basicamente para mercadorias. Mas está na hora de o pessoal do Governo Federal resolver isso aí.

Enjoo:

A pergunta clássica de todos os que desejam fazer um cruzeiro pela primeira vez é: Eu vou enjoar? Provavelmente não. Na maioria dos casos, um remedinho dá conta do recado. Mas aqui vão duas dicas boas: O mar é mais tranquilo para a rota que vai em direção ao nordeste. Outra dica é comprar as cabines centrais do navio, pois estas são as que chacoalham menos.

Cabine com vista para o mar:

Falando em cabines, as que não contam com vista são mais baratas. Mas elas fazem com que você perca a noção do tempo diante da falta de contato com a luz do dia. Se puder pagar um pouco mais, as com vista valem muito a pena.

Seaview x Preziosa:

Em 2017, fiz um cruzeiro a bordo do MSC Preziosa e agora, em 2019, tornei a embarcar, mas dessa vez no MSC Seaview. Basicamente o Preziosa é menor do que o Seaview. Mas qual é o melhor? Depende do seu gosto. No Seaview, existem mais atividades, mais pessoas e o navio é realmente grande. O Preziosa é mais aconchegante, não tem tanta muvuca e você consegue aproveitar tudo o que ele oferece, além, é claro, de as coisas serem mais perto umas das outras. Em um navio, é fácil você ter que caminhar por quilômetros em um dia, pois, por exemplo o Seaview, conta com 323 metros de comprimento…

Atividades a bordo:

Nos navios é possível fazer muita coisa: Tem as festas temáticas, tais como a Noite do Branco, do Azul, o Baile do Capitão, compras com descontos exclusivos, Cassino, Teatro, Spa, Academia, Sala de Jogos, Simulador de F-1 e Cinema 5D. Isso sem falar dos restaurantes e charutaria. Por isso, ler o jornalzinho diário entregue nas cabines é fundamental.

Os desembarques:

Quando você atraca em lugares grandes como o Rio, Santos ou Salvador, o navio literalmente encosta no porto e você desce por uma rampa. Mas o legal mesmo é quando a parada se dá em um lugar que não conta com porto. Exemplos disso são Ilhabela, Búzios e Ilha Grande. Nesses locais, o navio atraca em um ponto específico e barcos vem buscar os turistas. É muito legal, mas esses sim chacoalham a valer, então se você for fraco do estômago, aqui é melhor ter cuidado! Em alguns lugares, por exemplo em Camboriú, esses barcos são temáticos de Piratas. Em outros, a própria MSC faz o transporte, se valendo dos botes que são içados pelo próprio navio.

Comida!:

Se tem uma coisa que não falta no navio é comida. Além dos jantares, almoços, cafés da manhã e da tarde, você pode apreciar salgados, doces, bebidas e afins todo o tempo.

Natureza:

Preciso falar sobre o principal: O mar, o sol, a chuva, o vento e a curvatura da Terra. Em alto-mar, tudo é mais intenso, mais forte e mais bonito! Toda tarde, pouco antes do pôr do sol, vou ao ponto mais alto do navio e fico ali por alguns minutos. Não há maior espetáculo do que este!

Filosofando…:

Percebi uma coisa nesses dois cruzeiros: Os funcionários quase sempre estão sorrindo, mas todos tem o olhar triste. Acredito que isso se deva, principalmente pelo fato de eles terem que ficar por muitos meses longe de suas famílias. Alguns me contaram que os seus contratos de trabalho duram sete meses. Então nesse período eles praticamente ficam todo o tempo a bordo, desembarcando apenas quando estão de folga.

Fechando a conta:

Viajar num cruzeiro vale a pena? Sim! Se você calcular os gastos que teria para fazer a mesma viagem com outros meios de transporte, perceberá que o custo-benefício do navio é alto. Sobretudo para portadores de mobilidade reduzida.

Previous Hitler: Quem ficou com a fortuna bilionária do líder nazista após seu suicídio?
Next Podcast 32