Nós precisamos falar sobre depressão

Nós precisamos falar sobre depressão

O avareense costuma dizer que somos uma cidade onde as pessoas se suicidam mais do nos outros lugares. Confesso que pesquisei sobre o assunto e não encontrei respostas. O que não quer dizer que o Governo não deva investir nisso, para evitar que mais gente com um passado fantástico, se prive de um futuro promissor só porque não encontrou atendimento adequado.

Podemos fazer mais sobre o assunto do que as autoridades, pois somos nós que vemos as pessoas sofrerem com a Depressão e não as levamos a sério muitas vezes.

Cientificamente, a Depressão é chamada de Distúrbio Depressivo Maior e pode ser definida como “um distúrbio mental caracterizado por pelo menos duas semanas de depressão que esteja presente na maior parte das situações”. Os sintomas da Depressão são vários, dentre os quais estão a baixa autoestima, perda de interesse, pouca energia, dor sem causa definida, delírios e alucinações.

Em alguns casos, os episódios de Depressão são alternados por longos intervalos, nos quais o comportamento da pessoa é classificado como normal. Já em outros, não há trégua e a pessoa vive quase que permanentemente na fase aguda da doença. Como não poderia deixar de ser, a doença afeta negativamente as relações interpessoais de seus portadores, atrapalhando relacionamentos familiares, baixando o desempenho no trabalho e na escola, dentre outros. O sono e o apetite também são profundamente alterados para pior.

De acordo com pesquisas, algo como 60% das pessoas que cometem suicídio apresentavam depressão ou outro distúrbio de humor, fato que transforma a doença em uma questão de saúde pública. E ela não tem nada a ver com cor de pele, raça, sexo, gênero ou condição socioeconômica. Muita gente inteligente, famosa, rica e bem sucedida sofre com a doença. O inventor Alberto Santos Dumont, os atores Robin Williams, Selton Mello e Jim Carrey, os jornalistas Ricardo Boechat e Jorge Pontual, o esportista Michael Phelps, o diretor Woody Allen, o Padre Marcelo Rossi, os escritores Ernest Hemingway e J.K. Rowling e até mesmo a Princesa Diana são apenas alguns dos exemplos.

Pesquisando sobre o tema, percebi que muitas das pessoas que sofrem com a doença veem na música “Everybody Hurts”, da banda norte-americana R.E.M., grande conforto.

Eu sempre fui fã dos caras, mas nunca havia me atentado para o fato. Abaixo, trago a música com tradução:

Se você tem a doença, não sofra calado. Ache alguém para compartilhar sua dor e, sobretudo, procure um médico. Ninguém se livra da doença sozinho. Saiba que, quando medicado, os portadores de Depressão podem levar uma vida normal.

Previous Como são feitas as pesquisas eleitorais e por que elas não são mentirosas – mesmo que você nunca tenha sido entrevistado
Next Podcast 15